Cruzespaçosmortos, mire:

Kobieta w płomieniach!

Dziwny świat w klatce piersiowej:

Um cubo dentro de um cubo dentro de um cubo dentro de um cubo dentro de um cubo dentro de um cubo dentro de um cubo dentro de um cubo dentro de um cubo dentro de um cubo dentro de um cubo dentro de um cubo dentro de um dentro um cubo de dentro de um dentro de dentro de um cubo dentro de um dentro de um dentro de uma imensidão devassada.


Gogh.

01fev10

Escreva aqui um verso triste que faça rir os desesperados,

que faça rir os desesperados.


Vaivém.

25dez09

Ali onde os olhos. Adiante. Os lugares de antes. Ausentes. Soluços. Ali onde os olhos. Onde a calma. Restaurada. Nenhuma calma. Olhos não mais. Astros lácteos. Refluxos. Depois o céu. A lembrança de um poema. Isto está aqui. Mas nem tanto. Sim. Restaurado. Distante enfim. Ali onde os olhos. Adiante. Cheque o pulso. Prossiga. O desejo. Violentado enfim. Sim. Isto está aqui. Não mais o desejo. O drama. Opaco. Isto está aqui. Ali onde os olhos. Adiante. Mas nem tanto.


Ostras.

26nov09

Este homem estranho que atravessa a rua não é um homem não é um fantasma ele não é um tango um pato ele não é um homem estranho que atravessa a rua é uma velha senhora que foge ao sinal das chamas que se alastram por seu cômodo suas roupas seus perfumes suas cartas seus espelhos suas pernas que se agitam em descompasso nesta dança desesperada às escadas de emergência e então explode o sonho apaixonado dos dias dos anos dos tempos felizes dos retratos que o fogo,

como se em festa,

agora consome.


Fórceps.

02out09

Lunetas, maletas, o café da tarde, eu sei o que ninguém sabe, eu sei o que ninguém sabe. O casal à viela estuporada à noite velada à luz alucinada dos olhos dos homens, lunetas, maletas, lunetas e solitários, lunetas e solitários, eu digo o poema, eu rio o poema, atiro o poema, cuspo o poema contra o espelho, contra o espelho sou o poema. Eu sou o poema. Atravessantes vagabundos nublados, esqua-qua-drinhados: lunetas, maletas e o café da tarde. Instante. O céu, um homem.


Pausa.

29ago09


Início.

09ago09

C. 001 – PRAIA – EXT. DIA

A imagem do mar revoltoso ao fim de uma tarde nublada; o barulho das ondas em um crescendo cada vez mais alucinante.

/CORTE

Cartão preto.

______________JOÃO (V.O.)
____________Você pode me ajudar?